Elis Regina: 30 anos de saudade

Há 30 anos atrás, uma das mais belas vozes da Música brasileira se calava pela eternidade. Uma das melhores cantoras de todos os tempos encerrava seu ciclo vital na vida terrena. Elis Regina deixava uma lacuna que nunca mais será preenchida.

Elis Regina Carvalho Costa nasceu no dia 17 de março de 1945 em Porto Alegre, RS, Brasil, filha de Romeu Costa e Ercy Carvalho e tinha um irmão mais novo, Rogério. Ela começou sua trajetória como cantora aos 11 anos num programa de rádio chamado A Hora do Guri. Ela se mostrava muito precoce e foi descoberta por Wilson Rodrigues Poso, vendedor da gravadora Continental que recomendou sua contratação e vaticinou: “será a maior cantora do Brasil”. Seu début fonográfico se deu em 1961, quando tinha apenas 16 anos no disco Viva a Brotolândia. Embora a gravadora quisesse vendê-la como uma nova Celly Campelo, foi na Bossa Nova que Elis encontrou seu lugar.

No Rio de Janeiro, Elis integrou o elenco do programa televisivo Noites de Gala da TV Rio e fazia muitos shows no eixo Rio-São Paulo. Em 1964, começou a cantar no lendário Beco das Garrafas, onde conheceu o compositor Ronaldo Bôscoli, uma das figuras centrais da Bossa Nova. Junto com Luis Carlos Miéle, Bôscoli e Elis fizeram uma parceria de sucesso.

Em 1965, Elis foi contratada pela TV Record para apresentar, junto com Jair Rodrigues, o programa Fino da Bossa. Ela e o cantor se tornaram grandes amigos e parceiros num grande show chamado Dois na Bossa. A performance da cantora chamava atenção e todos os espetáculos em que participava eram sucessos de público e crítica. Em 1966, ela lançou o selo Artistas, onde surgiu o primeiro disco independente produzido no Brasil, intitulado Viva o Festival da Música Popular Brasileira, gravado durante o Festival.

Elis foi uma figura de destaque dos famosos Festivais da Canção que aconteceram em meados dos anos 60. Sua antológica interpretação de Arrastão, de autoria de Edu Lobo e Vinícius de Morais no Festival é um dos pontos mais altos da história dos festivais, valendo a ele inúmeros prêmios como o Troféu Roquette Pinto.

Em 1967, casou-se com Bôscoli e participou da chamada Marcha Contra as Guitarras, uma campanha criada por músicos brasileiros como Geraldo Vandré e Caetano Veloso para protestar contra o destaque que a turma da Jovem Guarda tinha nos meios midiáticos. Com o tempo, Elis foi deixando seu purismo engajado de lado e se tornou grande amiga de Roberto Carlos e cia., gravando até mesmo músicas do líder da Jovem Guarda.

Continua no próximo post.

Deixe um comentário

Arquivado em Biografias, Música, MPB

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s