História do Rock: os pais da criança

Nas primeiras décadas do século XX, surgiram as Race Records, onde cantores de Blues gravaram seus primeiros registros fonográficos, já que as gravadoras ditas brancas jamais lhes daria qualquer chance. Lá surgiram nomes como WC Handy (autor do primeiro Blues gravado, St. Louis Blues), o lendário Robert Johnson, Ma Rainey, Bessie Smith, Jubilee Singers, entre outros. Mesmo antes das Race Records, já havia artistas negros em evidência como o compositor Scott Joplin. O compositor branco George Gershwin criou sua obra prima, Rhapsody in Blue influenciado pelo Jazz e pelo Blues. Quanto aos jovens brancos, os Filhos da Guerra, chegou um momento em que muitos deles cansaram da imposição dos pais e então, tiveram acesso às gravações feitas nas Race Records. Mal imaginavam eles que em alguns anos eles criariam sua própria tendência, seu grito de liberdade contra os chamados “quadrados” (squares) da geração anterior.

Em 1951, alguns disc jockeys americanos perceberam o interesse dos jovens Baby Boomers pelo Rhythm & Blues – que era o nome dado ao ritmo até então. Passaram a divulgar esse som para desespero dos pais americanos. Foi aí que, em 1951, o DJ Allan Freed (1921-1965) criou o termo ambíguo Rock and Roll (num sentido literal “Embalar e Rolar”), que já era utilizado na música negra como gíria para o ato sexual (no R&B) ou para evocar o êxtase espiritual (no Negro Spiritual). Paralelamente, num estúdio em Memphis, Tennessee, um grupo capitaneado por Ike Turner (piano) e formado por Jackie Brenston (vocais, saxofone), Willie Kizart (guitarra), Raymond Hill (sax tenor) e Willie Sims (bateria) gravou a canção Rocket 88, na verdade uma releitura de um blues de Pete Johnson (Rocket 88 Boogie, 1947). O dono do estúdio era Sam Phillips, um dos grandes nomes da gênese do Rock and Roll. Essa canção foi creditada a Jackie Brenston & His Delta Cats, pois conforme reza a lenda, Ike Turner temia que o single fosse um fracasso e por isso, tratou de limar seu nome dos créditos. Mal imaginava ele que este seria o marco zero da História do Rock.

Em 1952, uma banda chamada Bill Haley & His Comets regravou Rocket 88, o que abriria o caminho para que eles lançassem Rock Around The Clock, de 1954, numa levada mais Country. No ano seguinte, essa música foi adequada ao estilo de R&B e acabou sendo tema do filme Blackboard Jungle (Sementes da Violência), considerada a primeira empreitada unindo o Rock ao cinema. Essa versão acabou se convertendo no primeiro grande clássico do rock and Roll. Consta que os jovens que assistiram ao filme saíram das salas de exibição totalmente excitados com o Rock (e olha que a canção só aparece nos créditos finais do filme). Há relatos de cadeiras quebradas em alguns cinemas americanos. Bill Haley foi aclamado, assim, o Pai do Rock.

Deixe um comentário

Arquivado em Blues, História do Rock, Jazz, Música, Rock and Roll

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s