RIP: Whitney Houston, parte 1

Ela foi uma das melhores cantoras de Soul e R & B dos anos 80 e 90 e teve como madrinha a diva Aretha Franklin. Sua família teve importantes vozes femininas como Cissy Houston (sua mãe), Dee Dee Warwick e Dionne Warwick (suas primas). Também foi atriz, produtora e modelo. Vamos falar de Whitney Houston.

Whitney Elizabeth Houston nasceu no dia 9 de agosto de 1963 em Newark, Nova Jersey, EUA. Sua mãe Cissy Houston fazia parte do grupo feminino Sweet Inspirations, que se tornaram famosas ao fazer vocais de apoio para artistas como Aretha Franklin (que virou uma grade amiga de Cissy), Wilson Pickett e Lou Rawls, entre outros. Seu fascínio pela música começou quando ela era ainda uma menina cantando no grupo infantil do coral gospel da Igreja Batista New Hope em sua cidade natal. Lá também começou a aprender piano. Sua primeira performance como solista foi cantando o louvor Guide Me, O Thou Great Jehovah.

Apesar da criação batista que teve, Whitney estudou numa escola católica para moças, a Mount Saint Dominic Academy. Continuou o aprendizado de canto com a mãe e além dela tinha como objeto de estudo as vozes da madrinha Aretha, da prima Dionne Warwick, Chaka Khan, Gladys Knight e Roberta Flack, a nata das divas do Soul. Ainda adolescente, ela costumava tietar a mãe em apresentações em clubes e às vezes, elas faziam duetos. Em 1977, aos 14 anos, fez backing vocals para a Michael Zager’s Band no single Life’s a Party. Um ano depois, atuou como backing vocalusta no single I’m Every Woman de Chaka Khan, uma de suas heroínas. Cantou também com Jermaine Jackson e Lou Rawls.

No início da década de 80, Whitney começou a trabalhar como modelo, até pensando em seguir essa carreira. Ela foi a primeira afro-americana a aparecer na revista Seventeen. A carreira musical estava num plano paralelo e ela fez parte de um projeto chamado One Down, que consistia de um álbum onde Whitney contribuiu com a música Memories, cover de Hugh Hopper (Soft Machine). Participou também do álbum Paul Jabara & Friends, ao lado do ator e cantor Paul Jabara, The Weather Girls e Leata Galloway, onde fez o vocal principal de Eternal Love.

A grande virada de La Houston aconteceu em 1983 quando Gerry Griffith, responsável pelo A & R da gravadora Arista assistiu a  uma performance da jovem ao lado da mãe e ficou boquiaberto com o que viu. Ele convenceu o big boss da gravadora, Clive Davis para conferir e ele também ficou impressionado, oferecendo a Whitney um contrato de gravação. Só que o disco de Whitney demorou uns dois anos para acontecer, pois Davis quis ter certeza de que o material fosse bom o suficiente para ser gravado. Nesse meio tempo, ela fez seu début em programas de TV aparecendo no The Merv Griffin’ Show. Também fez um dueto memorável com Teddy Pendergrass em Hold Me de seu disco Love Language.

Whitney ainda iniciante ao lado de Clive Davis da Arista Records

 Conclui no próximo post

1 comentário

Arquivado em Biografias, Música, RIP, Soul e R & B

Uma resposta para “RIP: Whitney Houston, parte 1

  1. Pingback: Grandes Nomes do Soul: Teddy Pendergrass, finale | Musical Review

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s