Grandes Nomes do Soul: Wilson Simonal, parte 1

Temos uma seção nova no blog e para inaugurá-la, vamos falar sobre um grande cantor dos anos 60, que foi um dos mais destacados artistas negros do Brasil em todos os tempos e um showman carismático que sabia como ninguém, animar as massas. Falamos do saudoso Wilson Simonal, o eterno Rei da Pilantragem

Wilson Simonal de Castro nasceu no dia 26 de fevereiro de 1938 na cidade do Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Era filho de uma empregada doméstica e aos 17 anos conheceu a Turma do Matoso, um pessoal que foi arrebatado pelo Rock and Roll americano que começava a dar o ar da graça em terras brasileiras. Eram jovens que se reuniam na Rua do Matoso (daí o nome do grupo), na Tijuca, para ouvir as novidades musicais da Terra do Tio Sam. Faziam parte daquela patota: os cariocas Erasmo Esteves, Sebastião Maia, Jorge Duílio Meneses (também chamado “Babulina”) e um capixaba chamado Roberto Carlos Braga. Os nomes acima podem soar estranhos, mas se eu escrever Erasmo Carlos, Tim Maia, Jorge Benjor e Roberto Carlos, aí os leitores já sabem quem são. Além desses futuros grandes nomes da música brasileira, faziam parte da turma: Antônio Pedro, Arlênio, Edson Trindade, Alcina “China” e Wellington

Quando era cabo do exército, Wilson começou a cantar em bailes do 8º Grupo de Artilharia de Costa Motorizado (8º GACOSM), que tinnha sede no Leblon. Seu repertório tinha calípsos e músicas em inglês. Depois, fez parte dos conjuntos Dry Boys e Guaranis. Começou a ficar em evidência o participcar do programa de TV Os Brotos Comandam de Carlos Imperial, que muito o ajudou em seu início de carreira. A coisa começou a pegar de verdade quando Luis Carlos Miéle e Ronaldo Bôscoli levaram o cantor para o Beco das Garrafas, o legendário reduto da Bossa Nova. Lá, Simonal mostrava a que veio. Nascia um dos melhores performers da música brasileira. 

Depois de uma viagem pela América Latina em 1964, acompanhado pelo grupo Bossa Três, Simonal começou a aparacer em programas de televisão como Fino da Bossa, onde fez duetos com a “Pimentinha” Elis Regina. Também “bateu ponto” no Jovem Guarda dos amigos Erasmo e Roberto Carlos. Fez sucesso com músicas como País Tropical (Jorge Ben), Meu Limão, Meu limoeiro; Mamãe Passou Açúcar em Mim, Nem Vem que Não Tem e Sá Marina

Tanto destaque na telinha fez com que a TV Record desse um programa a ele, Show em Si…Monal, com direção do amigo de sempre Carlos Imperial. Foi a primeira vez que um negro ganhou um programa de televisão no Brasil. Mas não pensem que ele ficou mascarado por causa disso. Ele sabia como a sociedade olhava com desconfiança para os “irmãos de cor”. Para eles, compôs, em parceria com Ronaldo Bôscoli, o clássico Tributo a Martin Luther King

Também foi articulador, junto com Imperial, além de músicos como César Camargo Mariano e Nonato Buzar, de um movimento musical chamado Pilantragem, que consistia numa mistura do Samba brasileiro e o Soul norte americano.  A música Carango (composição de Carlos Imperial), um grande sucesso de Simonal e regravado depois por Erasmo Carlos, é um exemplo dessa tendência. Foi até criado um grupo chamado Turma da Pilantragem, que lançou três discos.

Continua no próximo post

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Aniversariantes, Biografias, Música, MPB, Soul e R & B

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s