Grandes Duplas Musicais: The Carpenters, finale

Apesar da vendagem dos discos começarem a baixar no decorrer da década de 70, a popularidade dos Carpenters estava em alta e eles prosseguiram fazendo turnês, aparições em programas de TV, muitos shows, enfim inúmeros compromissos que se interpunham na vida particular da dupla. Karen, desde novinha nutria o desejo de se casar e ser mãe. Ela teve flertes e namoros com alguns músicos mas os romances não duraram muito, deixando-a muito frustrada. Já Richard, conheceu Mary Rudolph, irmã de um road manager dos carpenters chamado Mark Rudolph, e começou a namorá-la. mas além da vida pessoal, havia também os problemas de saúde. Karen era anoréxica e Richard era dependente de Quaaludes, um sonífero muito forte.  Karen teve que se tratar em 1975 e Richard cessou as atividades no final da década de 70.

No período em que Richard estava internado, Karen não queria ficar parada e então começou a gravar seu primeiro álbum sem o irmão com a produção de Phil Ramone. Era um trabalho mais adulto de Karen, onde cantava temas que em nada lembravam as músicas dos Carpenters pela levada Disco Music e onde ela cantava algumas canções num timbre mais agudo do que o habitual. Something’s Missing (In My Life) , Love Making Love To You e Truly You são algumas das músicas dos disco. Richard e os executivos da A & M receberam a notícia sobre o projeto de Karen de forma fria e ela ficou balançada entre terminar o disco ou retomar a dupla com o irmão. Prevaleceu a segunda alternativa, o disco foi engavetado e ela teve que desenbolsar o valor de 400.000 dólares para os custos dele.

Em 1981, com a volta de Richard à ativa, os Carpenters voltaram ao estúdio para gravar o derradeiro disco contando com Karen, Made in America, que tinha músicas como (Want You) Back in My Life Again (Kerry Chater, Chris Christian), Those Good Old Dreams  e Because We Are in Love (The Wedding Song) (ambas de John Bettis e Richard Carpenter), I Believe You (Dick Addrisi, Don Addrisi) e uma deliciosa versão para o clássico das Marvellettes, Beechwood 4-5789, numa levada semelhante a Please Mr. Postman do mesmo grupo e regravada pelos Carpenters na década anterior. Aparentemente tudo ia bem com a cantora. Tinha casado no ano anterior com Thomas James Burris, após um rápido romance. Passaram a lua de mel em Bora Bora, mas parece que Karen não gostou do lugar, chamando-o de Boring, Boring (chato, chato).

Voltar a gravar significava retomar rotina de shows, viagens e aparições públicas e os irmãos voltaram a não ter tempo para uma vida social. para Karen isso custou seu casamento com Tom, que não suportava mais ficar londe da esposa por causa de tantos compromissos. A isso, somava-se os problemas de anorexia da cantora, que mais uma vez teve que pararr tudo para se tratar, não antes de participar de sua última sessão de gravação do álbuma ser lançado em 1982. Depois de meses lutando contra seu mal, Karen ganhou 14 quilos de massa, mas isso enfeqiueceu seu coração e ela teve que tomar remédios.

Em 1983, às vésperas de seu aniversário de 33 anos, foi passar uma temporada com os pais em Los Angeles. No dia 3 de fevereiro daquele ano, ela teve um encontro com Phil Ramone, onde amentou o cancelamento de seu álbum solo, que ela achava, com o perdão da má palavra, “foda” [declaração da própria cantora]. No dia seguinte, teve uma parada cardíaca e morreu no caminho do hospital. Encerrava-se ali, uma linda carreira e uma voz maravilhosa calava-se para sempre. Karen pretendia ir a público para falar de sua luta contra a anorexia, que acabou sendo um dos ingedientes que levou-a à morte. Em seu funeral, milhares de fãs foram dar o último adeus. Suas grande amigas Olivia Newton-John e Dionne Warwick marcaram presença.

Richard finalizou a gravação do álbum Voice of the Heart, que foi lançado naquele ano. o disco tem como destaque as músicas Make Believe It’s Your First Time (Bob Morrison, Johnny Wilson), Your Baby Doesn’t Love You Anymore e Now (Roger Nichols, D.Pitchford), o último registro da voz de Karen. Richard se casou com Mary Rudolph em 1984 e eles tiveram cinco filhos: Kristi Lynn, Traci Tatum, Mindi Karen, Colin Paul e Taylor Mary. Ele gravou seu primeiro álbum solo, Time, em 1985, disco que contou com as participações de Dusty Springfield e Dionne Warwick. Em 1989, foi transmitido o telefilme A História de Karen Carpenter, com a consultoria de Richard. Em 1996, o disco solo de Karen, com o nome dela,  foi lançado oficialmente, mas muitas múscas ficaram de fora. Em 2003, os carpenters ganharam uma estrela na calçada da fama. De vez em quando, Richard e seus filhos se apresentam em eventos relacionados à dupla. Parece que o legado da família está longe de terminar. Vem aí, uma nova leva de Carpenters. Aguardem e confiem!

Para terminar, os Carpenters tocando outro clássico dos Beatles, Can’t Buy me Love. Eles gostavam ou não gostavam dos Fab 4, hein? Outro clássico, And When I Die (do Blood, Sweat & Tears) cantado pelos Carpenters muito antes de se lançarem à fama. Quem faz dueto com Karen é a ótima Wanda Freeman.

Richard hoje em dia e Karen na capa do último disco

Fontes:

Wikipedia

Site Oficial

Deixe um comentário

Arquivado em Aniversariantes, Biografias, Grandes Duplas Musicais, Música, Rock and Roll

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s