Grandes Duplas Musicais: The Carpenters, parte 3

De trio de Jazz a dupla Pop de sucesso, os Carpenters foram muito bem sucedidos em seus dois primeiros álbuns pela A & M, Offering e Close to You.

Em 1971, veio o álbum Carpenters e a escrita foi mantida. As músicas For All we Know (Fred Karlin, Arthur James, Robb Wilson) e Rainy Days and Mondays (Paul Williams e Roger Nichols, os mesmos de We’ve Only Just Begun) foram os carros-chefes do disco, junto com um delicioso medley de Burt Bacharach e Hal David (que tinha, entre outras músicas, Make it Easy on Yourself e Walk on By),além do clássico Superstar (Leon Russell e Bonnie Bramlet).

Em 1972, foi gravado A Song For You, onde despontam a música-título (Leon Russell), Hurting Each Other (Gary Geld, Peter Udell), Top of the World e Goodbye to Love (primeiras composições de Richard Carpenter e John Bettis a terem destaque num álbum), I Won’t Last a Day Without You (Williams e Nichols) e Bless the Beasts and the Children (Perry Botkin, Jr., Barry DeVorzon), primeira música dos carpenters a figurar na trilha sonora de um filme (Abençoai as feras e as crianças no Brasil).

Em 1973, veio Now and Then e o sucesso continuava consolidado. Tem os clássicos dos Carpenters Yesterday once More (Carpenter e Bettis), Sing (Joe Raposo) e This Masquerade (Leon Russell), além do grande clássico do Country Jambalaya (Hank Williams) e um medley de grandes clássicos dos anos 60, com sucessos como Fun Fun Fun (Beach Boys), The End of the World (Skeeter Davis) e Da Doo Ron Ron (The Crystals), entre outros [parte 1] [parte 2].

Depois de dois anos fora do estúdio, em 1975, gravaram e lançaram o álbum Horizon com o super-sucesso Only Yesterday (Carpenter e Bettis), Please Mr. Postman (Robert Bateman e outros), sucesso com The Marvellettes e Beatles (olha eles de novo aí!), Desperado (Glen Frey, Don Henley), clássico dos Eagles e Solitaire (Neil Sedaka). O topo do mundo começou a cobrar seus tributos dos dois irmãos. Karen começou a sofrer com anorexia nervosa. Por conta disso, cancelaram vários compromissos, entre turnê e apariçoes públicas para tratamento.

Em 1976, o álbum Kind of Hush deu o ar da graça mas sem o mesmo êxito dos anteriores. Fazem parte dele o clássico There’s a Kind of Hush (Les Reed/Geoff Stephens), gravada pelos Herman’s Hermits; Can’t Smile Without You (Chris Arnold/David Martin/Geoff Morrow), I Need to Be in Love (Carpenter e Bettis com coautoria de Albert Hammond) e a versão deliciosa para o clássico de Neil Sedaka, Breaking Up is Hard to Do (Sedaka, Howard Greenfield).

O álbum de 1977, Passage já tinha uma pegada mais experimental, com a versão para Don’t Cry for Me Argentina (Andrew Lloyd Weber e Tim Rice) do musical Evita, All You Get from Love Is a Love Song (Steve Eaton) e Calling Occupants of Interplanetary Craft (Terry Draper, John Woloschuk), um cover da banda Klaatu.

Em 1978, eles lançaram apenas um álbum de natal, Christmas Portrait com várias canções natalinas (destaque para a versão belíssima e emocionante da Ave Maria de Bach e Charles Gounod na voz de Karen), além de uma canção de Richard em parceria com Frank Pooler, Merry Christmas Darling. Os problemas de Richard com o uso de soníferos Quaalude começaram a se agravar e ele teve que se afastar para voltar a se tratar.

O disco de natal dos Carpenters

Conclui no próximo post

Deixe um comentário

Arquivado em Aniversariantes, Biografias, Grandes Duplas Musicais, Música, Rock and Roll

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s