Grandes Nomes do Soul: Rufus Thomas

Ele fez parte dos grande nomes que fundamentaram o Soul e esquecer seu nome em qualquer lista ligada à Black Music seria no mínimo um disparate. Vamos falar do grande Rufus Thomas.

Nascido Rufus Thomas Jr. no dia 26 de março de 1917 na comunidade rural de Cayce, Mississipi, EUA, onde seu pai, Rufus Thomas, Sr. era agregado de uma fazenda e sua mãe uma mulher muito religiosa. Quando tinha dois anos, sua família se mudou para Memphis. Fez sua estreia como artista aos seis anos ao interpretar um sapo numa peça infantil. Ele virou um “especialista” em fazer papeis de animais: gatos, cachorros tristes, pinguins e até um “franguinho funky”. Quando tinha dez, tornou-se sapateador, tendo trabalhado em muitas performances amadoras no ginásio Booker T. Washington. Ele chegou a estudar um semestre na Universidade Estadual do Tenessee mas teve que trancar a matrícula por causa de suas condições financeiras. Decidiu então juntar-se ao grupo teatral e musical Rabbit Foot Minstrels em uma série de shows de revista pelo sul dos EUA e em algumas gravações. O grupo é muito conhecido por ter iniciado a carreira de inúmeras lendas do R & B e do Blues como Ma Rainey, Bessie Smith, Louis Jordan e Big Joe Williams, entre muitos outros.

Depois que saiu do grupo, trabalhou durante 22 anos numa fábrica têxtil. Paralelamente, Rufus fez sua estreia cantando profissionalmente ao subsitutir um cantor no Elks Club em Memphis. Em 1943, gravou um disco pelo selo Star Talent, I’ll Be a Good Boy/I’m So Worried. Gravou na lendária Sun Records a música Bear Cat, uma resposta ao clássico de Big Mama Thronton, Hound Dog. Embora esse tivesse sido um grande sucesso, quase contribuiu para a falência dela, por acusação de “infringir direitos autorais”. Thomas foi o primeiro artista negro lançado pela Sun Records, isso antes de SamPhillips firmar contrato com o futuro Rei do Rock, Elvis Presley.

 Começou a trabalhar na emissora de rádio WDIA em 1950 iu 1951 (dependendo de seus biógrafos), considerada a pioneira em programação voltada aos afroamericanos. Ele tinha um programa chamado Hoot and Holler. Tendo como mentor o radialista Nat D. Williams, Rufus se tornou muito importante na emissora, comnadando, inclusive um programa de calouros, onde descobriu um guitarrista chamado Riley King, que seria mais tarde o legendário B.B. King.

 Rufus começou a se tornar um dos pilares da emergente Soul Music no início dos anos 60, quando assinou contrato com a Stax Records, a mais histórica das gravadoras do estilo. Em 1963, saiu seu clássico-mor Walkin’ The Dog (que alcançou o Top 5 das paradas de R & B e o Top 10 das paradas pop, sendo regravada por grandes nomes como Rolling Stones (a mais famosa), The Sonics, The Trashmen, Flamin’ Groovies e até os papas do Rock Lisérgico Grateful Dead. Dois anos antes, a filha de Rufus, a graciosa e talentosa Carla Thomas tinha emplacado um hit, Gee Whiz. Nas suas gravações pela Stax, ele sempre contava com o acompanhamento de duas bandas icônicas de Soul Instrumental: Booker T & The MGs e The Bar Kays (a mesma que acopenhaou o lendário Otis Redding).

 No início da década de 70, gravou outros três de seus clássicos: (Do The) Push and Pull, primeiríssimo lugar nos charts de R & B (25º na parada pop); Do The Funky Chicken, quinto lugar na parada R & B (28º na parada pop) e fechando a “trilogia” dançante, The Breakdown (partes 1 e 2), que alcançou o posto de segundo e 31º lugar nas paradas R & B e Pop, respectivamente. Das décadas de 80 em diante, só homenagens a um dos grandes nomes da consolidada Soul Music depois de tanto trabalho e dedicação. É uma das figuras musicais mais reverenciadas da capital do Rock and Roll, Memphis. 

O querídíssimo mestre [N. do Ed – ele é uma das minhas influências enquanto músico e amante de boa música] infelizmente, partiu deste mundo no dia 15 de dezembro de 2001, aos 84 anos. Quem gosta de boa música e quiser coemomorar seu aniversárrio, ‘bora colocar na vitrol, mp3 player e etc. O clássico Walkin’ The Dog. No mais alto volume, pois isso é Rock and Roll, sim senhor! Ah, antes que eu esqueça, ele gravou um Soul natalino, I’ll Be Your Santa Claus.

O grande Rufus Thomas e a filhota Carla, unidos pelo Soul

Fontes:

Wikipedia

http://www.alligator.com/artists/Rufus-Thomas/

Deixe um comentário

Arquivado em Aniversariantes, Biografias, Blues, Grandes Nomes do Soul, Música, Rock and Roll

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s