Grandes Nomes do Rock: The Who, parte 3

Depois de um mau começo sob a direção do empresário Peter Meaden, que mudou o nome da banda para The High Numbers, lançando o single Zoot Suit/I’m The Face. Após o fracasso comercial do disco, eles demitiram Meaden e com a contratação da dupla Kit Lampert e Chris Stamp, conseguiram cair no gosto dos Mods. Por conta de um acidente acontecido num show onde Pete acabou quebrando sua guitarra, a banda começou a ter fama por destruir seus instrumentos após o show, aumentando consideravelmente o número de seus fãs. Vieram, em seguida o single I Can’t Explain e o primeiro álbum My Generation, cuja música título se converteu num verdadeiro clássico da banda e escancarou-lhes as portas do sucesso.

Em 1966, saiu o segundo álbum da banda, A Quick One, chamado nos EUA de Happy Jack. Consta que a Decca, responsável pelo lançamento do disco na Terra do Tio Sam não gostou do título original [“dar uma rapidinha”], por causa da conotação sexual. Townshend não queria que a canção Happy Jack fizesse parte do álbum, pois tinha planos de lanç´-ala num momento posterior. Porém, à sua revelia, a Decca a lançou assim mesmo. Na versão britânica, a música foi substituída pelo cover de Martha Reeves & The Vandellas, Heat Wave. No álbum, destacam-se Boris The Spider e Whiskey Man, duas composições de John Entwistle, cantadas por ele; Keith Moon faz seu début como cantor em sua composição I Need You e Roger canta sua única composição do álbum See My Way. Além dessas também destaca-se A Quick One, While He’s Away, uma espécie de medley de mini-canções, que mais tarde foi apresentado como uma opereta, uma prévia do que viria em trabalhos futuros da banda. Independente do álbum, o The Who teve dois singles lançados: Substitute e I’m a Boy.

Em 1967, assim como muitos artistas como os Beatles, Bob Dylan e os Beach Boys, lançaram o álbum conceitual The Who Sell Out, cujas faixas entrelaçadas emulavam uma estação de rádio pirata com jingles, propagandas e chamadas de locutores. Nessa época, se desvencilharam da imagem mod que tinham. O grande destaque é o clássico I Can See For Miles, que também foi lançado como single be sucedido (tendo por lado B Someone’s Coming no Reino Unido e Mary Anne With the Shaky Hands nos EUA). Nesse ano, foram lançados também os singles Pictures of Lilly/Doctor Doctor e The Last Time/Under My Thumb, dois covers dos Rolling Stones. A banda participou do lendário Festival de Monterey, que teve também como estrelas Jimi Hendrix e Janis Joplin (quando cantava na banda Big Brother & Holding Company), onde eles [literalmente] quebraram tudo! No programa de TV dos Smothers Brothers, teve um repeteco da sanha destruidora da banda. A exemplo do que os Beatles começaram a fazer à época, Pete começou a seguir preceitos religiosos orientais ao seguir o guru persa Meher Baba.

Em 1968, a banda não lançou álbum, mas saíram os singles Dogs/Call Me Lightining e Magic Bus, outro clássico da banda (com lado B Dr. Jekyll & Mr. Hyde no Reino Unido e Someone’s Coming nos EUA). Com o The Who na crista da onda, Pete Townshend deu uma entrevista à famosa revista Rolling Stone, onde falou que a banda estava desenvolvendo uma espécie de Opera Rock em larga escala. Entraram em estúdio em setembro para desenvolver o conceito. No fim do ano, participaram do especial Rolling Stones Rock and Roll Circus, onde apresentaram a já citada opereta A Quick One, While He’s Away.

O ano de 1969 foi decisivo para a banda. Inauguraram o conceito de Opera Rock com o álbum duplo Tommy, que conta a história de um jovem cego que viria a se tornar uma espécie de líder messiânico. Todo o conceito do disco foi inspirado nos ensinamentos que Pete teve de seu mestre espiritual Meher Baba, citado no disco como um Avatar (uma espécie de Messias). Os destaques do disco são Tommy Can You Hear Me, Pinball Wizard, Fiddle About (Entwistle), Eyesight of Blind (Sonny Boy Williamson II) e o final apoetótico com We’re Not Gonna Take It/See Me Feel Me. Muitas versões da obra foram mostradas desde então, inclusive contando com convidados ilustres como Ringo Starr, Eric Clapton e Meg Bell, entre outros. Ness ano, a banda teve uma antológica participação no Festival de Woodstock.

Antológico momento em Woodstock

Continua no próximo post.

Deixe um comentário

Arquivado em Aniversariantes, Biografias, Blues, Grandes Nomes do Rock, Música, Rock and Roll

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s