Rock Setentista: Pink Floyd, parte 4

Em 1969, o Pink Floyd começou a se desvencilhar da sonoridade proposta pelo antigo mentor o guitarrista Syd Barrett, onde os membros da banda começaram a trabalhar com experlimentalismos próprios. O resultado foi o álbum duplo Ummagumma, composto de um show ao vivo e faixas compostas idividualmente por eles. No ano seguinte, saiu seu primeiro disco “com cara de Pink Floyd” Atom Heart Mother, que a bada gravou junto com uma orquestra. Colaboraram com a trilha sonora do filme Zabriskie Point de Michelangelo Antonioni, que só usou três músicas da banda. Na esteira veio Meddles, um elaborado trabalho da banda, cujas faixas foram assinadas pelos quatro membros. Fizeram uma filmagem em Pompéia que acabou se convertendo no filme Live at Pompeii. No começo de 1972, eles lançaram o álbum Obscured by the Clouds, que se firmou como trilha sonora do filme La Vallée, repetindo a parceria com o diretor Barbet Schroeder.

Em 1973, foi lançado o álbum que muitos consideram o Opus Magnum do Pink Floyd, The Dark Side of the Moon. É um dos maiores discos de Rock e da música ocidental no século XX. Alan Parsons voltou a ser engenheiro de som e as músicas interligadas, composições de cunho muito pessoal para seus membros, falam sobre ansiedade, materialismo, medo e insanidade. Ali estão clássicos floydianos que os fãs da banda sabem de cor como Breathe (Waters, Gilmour, Wright), Time (Waters, Gilmour, Wright, Mason), Money (Waters) e Us and Them (Waters, Wright), não esquecendo da bela The Great Gig in the Sky (Wright, Trory), música onde a sensacional cantora Claire Trory faz uma linha vocal inesquecível e apaixonante que até não-fãs do Floyd amam ouvir. A banda contou com a participação da já citada Claire Trory, do sensacional saxofonista Dick Parry (que imortalizou um dos solos de Money) e dos competentes vocalistas de apoio Lesley Duncan, Doris Troy (cantora veterana do clássico Just One Look), Barry St. John e Liza Strike. A capa com o prisma feita pela Hipgnosis, se tornou uma espécie de logo recorrente do Pink Floyd e é muito cultuada hoje em dia. O disco foi um arrebatador sucesso da banda, chegando à primeira colocação nos EUA e na Inglaterra e em diversos lugares do mundo ficou entre os primeiros lugares. suas faixas foram tocadas integralmente nas turnês a partir daquele ano, contando com a mesma equipe.

Após um hiato de quase dois anos, onde foram lançadas as coletâneas Masters of Rock (compilação de singles) e A Nice Pair (na verdade, a junção dos dois primeiros álbuns da banda lançados em 1967 e 1968), em janeito de 1975, a banda voltou ao estúdio para elaborar um novo trabalho.

O álbum Wish You Were Here foi lançado em setembro daquele ano, com outra capa antológica da Hipgnosise suas faixas faziam uma crítica à indústria fonográfica e falavam sobre a deterioração mental de seu ex-mentor e amigo, Syd Barrett. Reza a lenda que Syd apareceu de surpresa durante as sessões do disco e não foi reconhecido por seus amigos, pois estava muito gordo e careca. Quando perceberam que se tratava de seu antigo líder, Waters e seus colegas de banda ficaram chocados e profundamente emocionados. Desde então nunca mais tiveram contato com ele. Os destaques do disco são verdadeiros cânones do cancioneiro floydiano como Shine on You Crazy Diamond (Waters, Gilmour, Wright, Mason), que muitos acreditavam tratar de Barrett, mas sempre refutado por Waters; a faixa título (Waters, Gilmour), uma bela canção que se tornou um dos grandes hinos do Rock; Welcome to the Machine e Have a Cigar (duas compsições de Waters) monstrando uma ácida crítica à indústria fonográfica. O disco contou com o saxofonista Dick Parry, com o cantor Folk Roy Harper fazendo os vocais de Have a Cigar e com as vocalistas de apoio Venetta Fields e Carlena Williams. A exemplo do disco anterior, o novo álbum também teve muito êxito de vendas e ficou em primeiro nas paradas britânicas e norte americanas.

A partir de 1976, Roger Waters começou a tomar para si a liderança criativa do Floyd, o que fez com que começasse a se estranhar com o colega Richard Wright. A banda usou seu estdio chamado Brittannia Row para o dsenvolvomento das músicas que fariam parte do póximo álbum. No começo de 1977, foi lançado Animals, que tinha por tema o livro A Revolução dos Bichos de George Orwell e suas faixas faziam referências críticas à sociedade inglesa da época, sobretudo políticos como a primeira ministra Margareth Thatcher, a Dama de Ferro, de acordo com as referências orwellianas. A maioria das canções foram escritas por Waters, exceto Dogs (uma parceria com Gilmour): Pigs on the Wing (partes 1 e 2), Sheep e Pigs  (Three Different Ones). Foi a partir da turnê de divulgação deste álbum, In The Flesh, que a banda passou a utilizar um porco inflável gigante.

Dark Side: momento da turnê da orbra máxima do Pink Floyd

Continua no próximo post

Deixe um comentário

Arquivado em Biografias, Filmes, Música, Rock and Roll

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s