Grandes Nomes do Rock: Blood, Sweat & Tears, parte 1

Uma grande banda surgida nos anos 60 e que conseguiu fundir o poder instrumental do Jazz e a tendência vigorosa do Rock and Roll de forma eficiente, criando o Jazz-Rock. São lembrados até hoje por belos arranjos de metais e por um vocal vigoroso. Vamos falar do Blood, Sweat & Tears.

A ideia toda saiu da cabeça do compositor, produtor e músico norte americano Al Kooper (nascido Alan Peter Kuperschmidt no dia 5 de fevereiro de 1944 em Brooklin, NY, EUA) conhecido no cenário musical por ter trabalhado com Bob Dylan quando o cantor aderiu ao som eletrificado. A partir de ideias de um som de Rock adornado por um naipe de metais, com uma pitada de R&B e Jazz, muito usadas pela banda britânica The Buckinghams e defendidas pelo produtor e empresário James William Guercio (futuro manager do Chicago e que também viria a trabalhar com o BS&T), Al juntou alguns músicos para formar uma banda que seguisse essa tendência.

No início, ele formou um quarteto, onde tocava órgão e fazia vocais, que contou com seu ex-colega de Blues Project, o guitarrista Steve Katz (nascido no dia 9 de maio de 1945 em Schnectady, NY, EUA), o baixista Jim Felder (nascido no dia 4 de outubro de 1947 em Denton, Texas, EUA), que tinha tocado nos Mothers of Invention de Frank Zappa e foi músico de apoio do Buffalo Springfield e o baterista Bobby Colomby (nascido Robert Wayne Colomby no dia 20 de dezembro de 1944 em Nova York, NY, EUA). Fizeram alguns shows no lendário Café Au Go Go em Nova York, fazendo abertura para o Moby Grape.

O saxofonista e arranjador Fred Lispsius (nascido 19 de novembro de 1943 no Bronx, NY, EUA) se interessou pelas ideias de Kooper e converteu a banda num quinteto, que tocou no festival Fillmore East, também em Nova York. Para fechar num verdadeiro ensemble, Fred chamou alguns conhecidos seus que já haviam tocado em grupos de Jazz, os trompetistas Randy Brecker (nascido Randal Edward Brecker no dia 27 de novembro de 1945 em Chelterham, Pensilvânia, EUA) e Jerry Weiss (nascido no dia 1º de maio de 1946 em Nova York, NY, EUA) e o trombonista Dick Halligan (nascido no dia 29 de agosto de 1943 em Troy, NY, EUA). Kooper assumiu a direção musical e o novo grupo, então completado, fez seu dèbut no Au Go Go em novembro de 1967.

A banda foi batizada de Blood Sweat & Tears, em alusão a um show que Al Kooper tinha feito no passado, onde tocou com uma das mãos sangrando. Há uma vertente que diz que o nome estaria relacionado a um disco de Johnny Cash. Conseguiram um público cativo em suas apresentações pela inovadora mistura de Jazz, pop e psicodelia. Chamaram tanta atenção que a gravadora Columbia Records se interessou por eles. Assim, em fevereiro de 1968, a banda gravou e lançou seu primeiríssimo álbum Child is Father of the Man. Nesse disco se destacam os clássicos da primeira fase do BS&T, I Love You More Than I’ll Ever Know (Kooper) e I Can’t Quit Her (Kooper, Irwin Levine), Morning Glory (Larry Beckett, Tim Buckley) e Without Her (Harry Nilsson).O trabalho teve uma boa receptividade, chegando ao 47º lugar nas paradas da Billboard, só que teve uma vendagem muito lenta.

Nesse ínterim, aconteceram uns entreveros na banda. O batera Colomby sugeriu que Al Kooper ficasse apenas nos teclados e que a banda chamasse um vocalista, ideia compartilhada pelo colega Katz. Kooper não gostou da ideia e, vendo que as vendas do disco estavam empacadas, decidiu sair do BS&T numa boa e começou a trabalhar como produtor na Columbia. O duo de trompetistas Randy Brecker e Jerry Weiss também pediu o boné e eles foram substituídos por Lew Solloff (nascido no dia 20 de fevereiro de 1944 em Nova York, NY, EUA) e Chuck Winfeld. O trombonista Halligan foi para o órgão e no seu lugar foi recrutado Jerry Hyman. Katz e Colomby ficaram na condição de novos líderes da banda e começaram a procuram um frontman. O guitarrista Stephen Stills (Buffalo Springfield) e a cantora e compositora Laura Nyro foram pensados para ocupar a vaga, mas foi graças à cantora Folk Judy Collins, uma velha amiga eles acharam o cantor David Clayton-Thomas. Começava, assim, a formação clássica do BS&T.

Child Is Father to the Man: o primeiro disco do BS&T

Continua no próximo post

Deixe um comentário

Arquivado em Biografias, Blues, Grandes Nomes do Rock, Jazz, Música, Rock and Roll

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s