Rock Setentista: Chicago, parte 8

Em 1991, o Chicago gravou seu único álbum de inéditas da década de 90, Twenty 1, que não foi um grande sucesso como seus predecessores, lançando depois apenas coletâneas, um disco só com standards de Jazz, Night and Day Big Band e um álbum natalino ( Chicago XXV: The Christmas Album). Além disso, a banda queria lançar um álbum mais exeprimental chamado Stone of Sysiphus, projeto esse vetado pelo selo Reprise, que não viu nele qualidades que o tornassem vendável. Por essa razão, o Chicago saiu e fechou com o selo Giant, pela qual gravou o isco de standards já citado.

Em 1999, foi lançado o álbum ao vivo Chicago XXVI (de novo os algarismo romanos!) que além de shows feitos pela banda tinha três faixas gravadas em estúdio. Foi o primeiro trabalho do novo guitarrista do Chicago Keith Howland (nascido no dia 14 de agosto de 1964 em Silver Spring, Maryland, EUA), que ocupou a vaga deixada por Dawayne Bailey. Alguns clássicos do Chicago cantados pelo competente Jason Scheff como 25 or 6 to 4 e Hard to Say I’m Sorry dão o ar da graça jutamente com as inéditas Back to You (Lamm, Howland), If I Should Ever Lose You (Burt Bacharach), (Your Love Keeps Lifting Me) Higher and Higher (Gary Jackson, Raynard Miner, Carl Smith), cover do grande Jackie Wilson cantado pelo convidado mais que especial Michael McDonald. O disco passou longe dos charts. No ano seguinte, o Chicago apresentou sua biografia e trajetória no programa Behind the Music do canal VH1. O documentário só não foi melhor porque o ex-baixista da banda Peter Cetera, àquela época ainda ressentido com a banda, se negou a dar depoimentos.

Em 2002, saiu a coletânea dupla The Very Best of Chicago: Only the Beginning e a banda deixou a Warner, licenciado todo seu acervo pela Rhino Records. No ano seguinte lançaram The Box, uma caixa especial da banda com cinco discos e um DVD, mostrando as várias fases da banda desde os anos 70, além de novidades como duas faixas do disco não lançado, Stone of Sisyphus (Loughnane/ Bailey) e Bigger Than Elvis (Scheff/Peter Wolf/Ima Wolf), uma homenagem de Scheff ao pai, Jerry Scheff, que trabalhou com o Rei do Rock. Além disso, a banda lançou mais um disco natalino, What’s It Gonna Be, Santa?, na verdade, uma reedição de Chicago XXV com algumas novidades como Rudolph The Red-Nosed Reindeer (Johnny Marks) e Sleigh Ride (Leroy Anderson/Mitchell Parish) Em 2004, eles fizeram uma turnê conjunta com o Earth, Wind & Fire (considerada, junto com o Chicago, uma das melhores bandas dos anos 70), que teve um registro em vídeo no Greek Theater. Em 2005, foi lançada uma coletânea para apaixonado nenhum botar defeito, Love Songs, só com as pérolas românticas da banda.

Em 2006, saiu o álbum Chicago XXX [calma, gente não tem nada pornográfico aqui, é só o número 30 em algarimos romanos], o primeiro disco do Chicago desde Twenty 1 totalmente inédito, produzido por Jay DeMarcus (da banda Rascal Flatts) e gravado em Nashville, Tennessee, a Meca do Country. Como não poderia deixar de ser, a banda convocou vários músicos de apoio: Steve Brewster e John Brockman (bateria), Tom Bukovac (violão e guitarra), Dean DeLeo, Yankton Mingua, Jack Kincaid e Don Huff (guitarras); Lee Thornburg (trompete), Bobby Kimball e Joseph Williams (backing vocals); James Matchack (teclados), além do próprio produtor DeMarcus (teclados, guitarra, piano), que ainda trouxe os parceiros de Rascal Flatts, Gery Levox e Joe Don Rooney para participar dos vocais de Love Will Come Back (DeMarcus, Sanford, Scheff). Teve ainda Shelly Fairchild fazendo os vocais de Why Can’t We (Champlin, DeMarcus, Sanford, Scheff). Além dessas duas músicas, também se destacam as faixas King Of Might Have Been (Greg Barnhill, Dennis Matkosky, Jason Scheff), Caroline (Sandford, Scheff) e Come to Me, Do (Lamm). O disco e seus silngles até que não fizeram feio nas paradas, ficando no Hot 20 e 50 da Billboard. Fez uma séroe de shows com a banda Huey Lewis & The News Tocou na festa de reveillon em Fremont Street em Las Vegas. Em 2007, foi lançada a coletânea The Best Of Chicago: 40th Anniversary Edition e a banda fez uma turnê conjuta com o America, outro ícone setentista.

Duas lendas: Chicago & Earth Wind & Fire

Continua no próximo post.

Deixe um comentário

Arquivado em Biografias, Jazz, Música, Rock and Roll, Rock Setentista

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s