Grandes Nomes do Rock: Gerry & The Pacemakers, parte 1

Um das principais nomes da cena musical de Liverpool chamada Mersey Beat, banda considerada rival dos Beatles na primeira metade da década de 60, que também se consagrou com o advento da Segunda Onda. Vamos falar de Gerry & The Pacemakers.

Quando o Skiffle estourou na Inglaterra nos últimos anos da década de 50, todos os garotos da cidade portuária de Liverpool formaram suas bandas. Em 1957, no Dingle, bairro proletário da cidade (onde também morou Ringo Starr), o jovem guitarrista Gerry Marsden (nascido Gerard Marsden no dia 24 de setembro de 1942 em Liverpool, Inglaterra) e o irmão mais velho, o baterista Fred Marsden (nascido Frederick John Marsden no dia 23 de outubro de 1940 em Liverpool, Inglaterra) formaram a banda Gerry Marsden & The Mars-Bars e fizeram seu début artístico num show de talentos chamado Dublin to Dingle. O pai dos rapazes, Fred Marsden, funcionário de ferrovia, incentivava e encorajava seus meninos a seguirem uma carreira musical. Ele mesmo tocava banjo para entreter a vizinhança. Certa feita, pegou a pele de seu banjo e pôs num latão e disse a Fred: “- esta é sua primeira bateria”.

A primeira formação dos Mars Bars consistia de Gerry, Matty Summers e Tommy Ryan (guitarras), Jim Tobin (baixo de caixa de chá), Fred (bateria) e Ken “Dixie” Dean (washboard e vocais). Depois de uma intensa troca de guitarristas (passaram pela banda Roy Hurst, Brian O’Hara e Joey Bowers), decidiram fechar com um pianista Arthur MacMahon, também chamado Arthur Mack. Forçado a trocar de nome pela empresa Mars Company, fabricante do chocolate Mars Bar, após a entrada do baixista Les Chadwick (nascido John Leslie Chadwick no dia 11 de maio de 1943 em Liverpool, Inglaterra), a banda foi rebatizada como Gerry & The Pacemakers [pacemaker = marcapasso]. Começarama usar blazers azuis que tinha distintivos com a s iniciais GP. Quando as bandas de Liverpool começara a chamar atenção dos proprietários de clubes alemães, os Pacemakers também foram pra lá pra defender uns trocados, a exemplo dos Beatles. Fizeram residência no Top Ten Club durante alguns meses. Existia uma sadia competição entre as duas bandas para conquistar a popularidade em Liverpool.

Em 1961, Arthur Mack deixou a banda e logo os Pacemakers acertaram com Les Maguire (nascido Leslie Charles Maguire no dia 27 de dezembro de 1941 em Wallasey, Ceshire, Inglaterra), que tinha começado a carreira tocando sax com a banda Vegas Five (depois The Undertakers). Gerry e cia. nessa altura já eram grande s amigos dos Beatles e as duas bandas fizeram um único combo chamado The Beatmakers, assim formado: Gerry, John, Paul e George (guitarras), Les Chadwick (baixo), Fred e Pete Best (bateria), Les Maguire (sax) e Karl Terry (The Cruisers) pata uma memorável apresentação no Litherland Town Hall. Reza a lenda que quando Pete Best foi demitido dos Beatles em agosto de 1962, Fred era um dos candidatos à vaga. O próprio batera desmentiu essa estória, mas brincou dizendo que nunca usaria um penteado igual ao dos Fab 4. E mais ainda: afirmou, de forma humilde, que Ringo era muito melhor que ele.

Em 1963, o empresário dos Beatles, Brian Epstein, passou a cuidar dos Pacemakers também. Nesse ano, aconteceu um episódio que mudou a vida da banda. George Martin, produtor da Parlophone havia sugerido que os Beatles gravassem uma composição de Mitch Murray chamada How Do You Do It em seu single de estreia. John Lennon preferiu que a banda gravasse uma composição própria, Please Please Me e então George Harrison sugeriu que Martin desse a música para Gerry & The Pacemakers gravarem, afirmando que seria um grande sucesso. Não deu outra: o single How Do You Do It (com Away From You, composição de Marsden e Les Chadwick no lado B), lançado em março, foi número 1 absoluto nas paradas, desbancando, ironicamente, os Beatles. Dois meses depois gravaram outra composição de Murray, I Like It (com It’s Happened to Me no lado B) que também foi líder nos charts. A banda fez uma antológica turnê conjunta com os Beatles, Helen Shapiro e com Roy Orbison, cantor favorito tanto dos Pacemakers quanto dos Fab 4. Em outubro, a banda lançou o single You’ll Never Walk Alone (Richard Rogers, Oscar Hammerstein II) contendo It’s All Right no lado B. Resultado: a terceira liderança consecutiva nos charts no mesmo ano!

Mars-Bars: os primórdios

Conclui no próximo post.

Deixe um comentário

Arquivado em Biografias, Grandes Nomes do Rock, Música, Rock and Roll, The Beatles

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s