Rock Setentista: Styx, parte 1

Eles foram uma das principais bandas dos anos 70 indo na contramão do que era praticado em termos de música. Suas baladas românticas entraram para a história e fazem parte da memória dos jovens daquela década. Vamos falar do Styx.

A história começou lá pelo ano de 1961, quando os irmãos gêmeos Chuck (nascido Charles Salvatore Pannozzo no dia 20 de setembro de 1948 em Chicago, Illinois, EUA) e John Panozzo (nascido John Anthony Panozzo no dia 20 de setembro de 1948 em Chicago, Illinois, EUA) , guitarrista e baterista formaram a banda The Tracewinds, que contava com o vizinho Dennis DeYoung (nascido no dia 18 de fevereiro de 1947 em Chicago, Illinois, EUA), que tocava acordeon. Chuck deixou a banda nos idos de 64 para estudar num seminário e foi subsitutido por Tom Nardini.Pouco tempo depois, o irmão de John desistiu de ser padre e voltou ao seio do Tracewinds, só que no baixo, instrumento pelo qual pegou o gosto.

Em 1968, Nardini saiu da banda, qie teve seu nome mudado para TW4, pois descobriram que havia uma banda chamada The Trade Winds (capitaneada por Vince Poncia, futuro parceiro da carreira solo de Ringo Starr). Dennis passou a tocar órgão e piano e eles recrutaram um colega de escola, John Curulewski (nascido no dia 3 de outubro de 1950 em Chicago, Illinois, EUA), também chamado J.C. que ganhou, em 1970, a companhia de um segundo guitarrista, James “J.Y.” Young (nascido no dia 14 de novembro de 1949 em Chicago, Illinnois, EUA). JC e Dennies dividiam os vocais. Só que o nome não estava legal ainda e eles começaram a pensar em outro. Depois de um consenso, fecharam com Styx, que na Mitologia Grega é um rio (em português Estige) que conduz ao Hades, reino dos mortos. DeYoung falou numa entrevista posterior que esse foi o único nome que nenhum deles detestou, poi isso o escolheram.

No ano de 1972, o Styx fechou contrato com a gravadora Wooden Nickel Records depois que um caça-talentos viu uma performance da banda numa escola e gostou do que viu e ouviu. Gravaram, assim seu primeiro álbum auto-intitulado, produzido por John Ryan e Bill Traut e que seguiu a tedência de Tock Progressivo, em voga na época. Destaque para as músicas Right Away (Paul Frank), Best Thing (James Young, Dennis DeYoung) e uma qpeuena sinfonia que abre o disco, Movement for the Common Man, que contém a música Fanfare for the Common Man de Aaron Copland. O single Best Thing até que não fez feio, ficando na 82ª posição no Hot 100.

Em 1973, saiu Styx II, um pouco mais pesado que o anterior. A dupla John Ryan e Bill Traut também porduziu o disco, que conta como destaque as faixas You Need Love (DeYoung), Lady, You Better Ask (Curulewski) e a Pequena Fuga em Sol de Johann Sebastian Bach. Foi o primeiro disco d banda a figurar nos charts (20º lugar). O single Lady fez melhor, chegou ao 6º lugar do Top 10 e projetou a banda nacionalmente.

Nesse mesmo ano saiu o terceiro álbum do Styx, Serpent Is Rising, com produção da banda e de Barry Mraz. O produtor dos álbuns anteriores, Bill Traut, participa do álbum tocando sax em 22 Years (Curulewski). As outras faixas de destaque são: a faixa título (Curulweski, Lofrano), Winner Take All (DeYoung, Lofrano), fechando com o famoso coral do Oratório Messias de Haendel, Hallellujah. Esse é um disco que os membros do Styx considera o pior de sua discografia, tendo chegado ao 192º lugar nas paradas. No ano seguinte, a banda gravou seu derradeiro álbum pela Wooden Nickel, Man of Miracles onde a dupla Ryan/Traut voltou para produzir. Destaque para as faixas Rock & Roll Feeling (Young, Curulewski), A Song for Suzanne (DeYoung), Evil Eyes (DeYoung) e a faixa título Young, DeYoung, R. Brandle). Foi outro fiasco da banda, chagando a figurar no 154º posto nos charts.

Em 1975, a banda assinou com a gravadora A&M que gostou do hit Lady. Na nova casa, o Styx gravou o álbum Equinox, produzido pela própria banda e que tem como grande vedete a música Lorelei (DeYoung, Young), que fez bonito nos charts, chegando ao 27ºlugar. O álbum ficou no 58º do Hot 100. Alem dessa música, destacam-se as faixas: Lonely Child (DeYoung), Midnight Ride (Young) e a instrumental Prelude 12 (Curulewski). É o primeiro disco da banda onde Dennis DeYoung canta a maioria das músicas. Após o término das sessões e o lançamento do disco, o guitarrista John Curulewski deixou o Styx para poder ficar mais tempo com a família.

TW4: os primórdios

Continua no próximo post

Deixe um comentário

Arquivado em Biografias, Música, Rock and Roll, Rock Setentista

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s