Rock Setentista: Styx, parte 2

Os irmãos gêmeos Chuck e John Panozzo (guitarra e bateria) se uniram a Dennis DeYoung para formar o Tracewinds em 1961. Depois de um tempo fora da banda, Chuck retornou como baixista. Foram chamados os guitarristas John Curulewski e James “J.Y.” Young e a banda estava completa. Depois de um tempo com o nome TW4, mudaram de nome para Styx (rio da Mitologia Grega que liga a Terra ao Hades, reino dos mortos) e em 1972, conseguriam um contrato com a gravadora Wooden Nickel Records, onde gravaram os álbuns Styx, Styx II, Serpent is Rising e Man of Miracles.Em 1975, foram para a A&M Records e gravaram o álbum Equinox, que teve uma boa repercussão. O guitarrista John Curulewski deixou a banda pouco depois do lançamento do álbum.

Em 1976, pouco antes de entrarem em estúdio, a banda fechou com o jovem e talentoso guitarrista Tommy Shaw (nasceu Tommy Roland Shaw no dia 11 de setembro de 1953 em Montgomery, Alabama) após verem sua performnce num culbe junto com a banda MSFunk. Tommy quebrou a hegemonia “born in Chicago” do Styx. A banda gravou e lançou Crystal Ball, seu sexto álbum (segundo pela A&M), que também foi produzido pelo Styx. Destacam-se as faixas Put Me On (DeYoung, Shaw, Young), Mademoiselle (DeYoung, Shaw), a versão da banda para a bela composição de Debussy, Clair de Lune com Ballerina (DeYoung, Shaw) e a música-titulo. O disco chegou ao 66º posto nas paradas e o single Mademoiselle ficou no 36º do Hot 50.

Em 1977, foi lançado o álbum The Grand Illusion, também produzido pela banda. A bela dobradinha de guitarras de Young/Shaw começou a ficar em evidência nas faixas do disco, como a música título (DeYoung), o grande clássico styxiano Come Sail Away (DeYoung), Foolish Yourself (The Angry Young Man) (Shaw), Miss America (Young) e The Grand Finale (DeYoung, Shaw, Young). O disco foi o primeiro grande sucesso comercial da banda, chegando ao sexto lugar nos charts. O single Come Sail Away figuoru no 8º lugar di Top 10 e Foolish YourSelf garantiu o 28º lugar no Top 50.

Em 1978, o sucesso continuou com o álbum Pieces of Eight,, que teve três singles bem colocados nas paradas: Renegade ficou em 16º, Blue Collar Man (Long Nights) ficou no 21º lugar e Sing for the Day, 41º lugar, todos no Top 50. Todas são composições do guitarrista Tommy Shaw. Também podemos destacara faixa título (DeYoung) e Lords of the Ring (DeYoung). O próprio disco ficou em 6º no cobiçado Top 10 da Billboard.

Em 1979, o rio Estige desaguou no Olimpo! Não, não mudei a geografia mitológica. O álbum Cornerstone, lançado naquele ano, trouxe o primeiro lugar nos charts, o clássico Babe (DeYoung) que entrou para o rol das mais belas baladas de todos os tempos, música que foi o primeiro grande sucesso do Styx, inclusive no Brasil. O teclado, as harmonias vocais e um dos mais belos solos de guitarra de todos os tempos hoje são parte da memória de muitos apreciadores de boa música. Além desta, também há outros destaques do disco como Why Me (DeYoung), Boat in the River (Shaw) e Borrowed Time (DeYoung, Shaw). Os músicos de apoio Steve Eisen (sax), Arnie Roth (arranjo de cordas) e Ed Tossing (metais) também participaram das sessões. Foi a primeira vez em que a banda teve indicações para o Grammy e abocanhou o People Choice’s Awards de Melhor Canção para Babe. O ano seguinte foi para curtir esse sucesso todo, quando o Styx alcançou o estrelato.

Em 1981, veio o álbum Paradise Theather, comprodução do Sryx. Se no disco anterior uma música fez a diferença, nesse novo trabalhou, a banda consehiu seu primeiro e único álbum nº 1 nas paradas e o clássico The Best of Times (DeYoung) no 3º lugar do Top 10. Outras músicas do disco também figuraram nos charts: Nothing Ever Goes As Planned (DeYoung) ficou no 54º posto; Rockin’ the Paradise (DeYoung, Young, Shaw) ficou em 8º lugar; Snowblind (DeYoung, Young) pegou o 22º lugar e Too Much Times on My Hands (Shaw) ficou em 2º lugar. O álbum teve como músicos adicionais: Dan Barber, Mike Halpin, John Haynor, Mark Ohlson, Billy Simpson (metais) e Steve Eisen (sax). Mas nem tudo eram flores para a banda. Alguns grupos religiosos acusaram o Sryx de passar mesnagens subliminares satânicas, especialmente na música Snowblind, um tema totalmente contra a cocaína. Claro que a banda se pronunciou e se defendeu dessas lorotas descabidas e devaneios fanáticos.

1975: momento de consagração do Styx

Continua no próximo post

Deixe um comentário

Arquivado em Biografias, Música, Rock Setentista

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s