Rock Setentista: Styx, parte 5

Após mais de cinco anos, o Styx voltou à ativa com o lançamento do álbum Edge of the Century (1990) sem o guitarrista Tommy Shaw que declinou do convite por estar tocando na banda Damn Yankees. Glen Burtnik foi seu substituto. A gravadora A&M Records dispensou a banda, o que causou muitos atritos internos e seus membros decidiran pelo seu fim. Dennis DeYoung foi trabalhar no musical Jesus Christ Superstar e gravou um disco em homenagem aos clássicos dos musicais da Broadway. Em 1995, houve uma reaproximação dele com Shaw e decidiram trazer o Sryx de volta com sua formação clássica. Mas os problemas de saúde do batera John Pannozzo fizeram com que chamassem Todd Sucherman. John acabou morrendo em 1996, mesmo ano em que o Styx fez sua volta triunfal. Em 1999, gravaram o álbum Brave New World, mas problemas com as direções musicais vieram à tona e DeYoung foi dispensado do Styx.

Tommy Shaw e James Young assumiram a liderança do barco, acusando DeYoung de negligência e displicência, pois não tocava bem ou não supria teclados de bom grado às músicas feitas por eles para a banda e por alegar doença quando foi proposta uma nova turnê. Mas os problemas não acabaram com a saída do tecladista/vocalista, pois ele acusou os remanescentes a usarem indevidamente o nome da banda e eles, em contrapartida acxusran-no de vender seus shows solo como “A Voz do Styx”, o que fez com que fossem todos acionados judicialmente. Houve um acordo, onde DeYoung poderia se proclamar, ex-membro do Styx ou Dennis DeYoung tocando a música do Styx”. Além disso, em represália ao comportamento de Dennis, o set list de Kilroy Was Here foi limado do repertório da banda. O canadense de origem escocesa Lawrence Gowan (nascido Laurence Henry Gowan no dia 22 de novembro de 1956 em Glasgow, Escócia) assumiu o posto deixado por DeYoung.

No ano anterior, Chuck Pannozzo fez uma declaração que deixou os colegas e os fãs do Styx estarrecidos: o baixista era soropositivo e portador do vírus da AIDS. Poe conta disso, não poderia acompanhar a banda em tempo integral, o que fez com que o velho conhecido Glen Burtnik voltasse ao Styx como membro oficial, trocando a guitarra pelo baixo, cobrindo as ausências de Chuck ou revesando as apresentações. Embora a banda ficasse um período desativada, fizeram alguns shows com a nova formação.

Em 2003, o Styx voltou ao estúdio para gravar material para um novo álbum. Cyclorama teve a produção de Tommy Shaw, James Young e Gary Loizzo (da banda American Breed). As composições foram assinadas em sua maiorta como Shaw/Young/Gowan/Sucherman/Butnik. A banda contou com as participações do ator Billy Boy Thornton, que fez os vocais em Bougeouis Pig e da dupla Tenacious D, formada pelos atores Jack Black (de Alta Fidelidade e Escola de Rock) e Kyle Gass na faixa Genki Desu Ka. Além dessas duas músicas, destacam-se: Together e One With Everything. Após o lançamento do disco, que ficou em 127º ligar no Hot 200, Glen Butnik saiu e a banda chamou Ricky Phillips (nascido Ricky Lynn Phillips no dia 7 de outubro de 1953 em Iowa, EUA). No ano seguinte, a banda participou do Crossroads Guitar Festival a convite de Eric Clapton, onde tocaram covers de Jimi Hndrix, B.B. King e Slim Harpo, tendo como guitarrista convidado a fera Jeff “Skunk” Baxter do Doobie Brothers.

Em 2005, gravaram e lançaram Big Bang Theory, um tributo a grandes nomes do Rock e do Blues nos anos 50 a 70 que o Styx voltou a produzir em grupo. Pelo disco, desfilam clássicos como I’m The Walrus (Beatles), I Can See For Miles (The Who), One Way Out (Allman Brothers), Summer in the City (Lovin’ Spoonful) e Blue Collar Man @ 2120 (Styx, é claro!). Nessa última contaram coma s participações espceciais da Rainha do R&B Koko Taylor (vocais) e o bluesman Johnnie Johnson (piano). O grupo feminino The Oracle Diva juntou-se à banda em algumas faixas. O disco chegou ao 46º lugar nas paradas, colocação que há muito a banda não alcançava. O cover dos Beatles ajudou a banda a ter certa visiblidade entre fãs da nova geração.

Em 2006, Chuck Pannozzo lançou o livro The Grand Illusion: Love, Lies, and My Life with Styx, sua autobiografia, contando muitas histórias interessantes sobre os bastidores dos seus anos de glória com o Styx, que ajudou muito na vendagem dos álbuns da discografia da banda.

Styx em 2003: 30 anos de Rock and Roll

Conclui no próximo post

Deixe um comentário

Arquivado em Biografias, Música, Rock and Roll, Rock Setentista

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s