Grandes Nomes do Rock: The Yardbirds, parte 3

Em 1965, os Yardbirds já tinha fama no circuito blueseiro da Swinging London e foram chamados pelo lendário Sonny Boy Williamson II para uma turnê na Inglaterra e na Alemanha. Gravaram o single For Your Love, que foi o ápice da carreira discográfica da banda e cujo nome batizou o segundo álbum. O guitarrista Eric Clapton, um purista do Blues na época não gostou da música, em sua opinião, muito “pop” e deixou os Yardbirds, recomendando o promissor guitarrista de estúdio Jimmy Page para seu lugar. Este acabou declinando do convite mas sugeriu seu amigo Jeff Beck. A banda fez alguns shows com o novo guitarrista e começou a gravar seu novo álbum Having a Rave Up With The Yardbirds. Fizeram sua primeira turnê nos EUA e no final do ano, saiu o álbum Sonny Boy Williamson & The Yardbirds, gravação do show feito no Crawdaddy no final de 1963.

Em 1966, os Yardbirds começaram a seguir a tendência da época, utilizando experimentalismos e deixando o Blues em segundo plano. Fizeram mais uma turnê pelos EUA e pela Europa, tendo inclusive participado do famoso Festival de San Remo na Itália tocando a música Paf…Bum! do escritor e cantor Lucio Dalla. Em junho, saiu o álbum Roger The Engineer, produzido pelo baixista Paul Samwell-Smith junto com Simon Napier Bell, o novo empresário da banda, com músicas totalmente escritas pelos membros da banda (Beck/Relf/Dreja/Samwell-Smith/McCarty), onde se destacam a instrumental Jeff’s Boogie (inspirada em Guitar Boogie de Chuck Berry e com passagens de Alfie de Bacharach & David e a tradicional Mary Had a Little Lamb), The Nazz Are Blue (um dos raros registros de Jeff Beck como vocalista), entre outras. Esse foi o último trabalho de Paul Samwell- Smith como um Yardbird. Ele deixou a banda para se tornar produtor fonográfico.

Beck gravou em maio de 1966, sem a banda, seu clássico Beck’s Bolero (Jimmy Page), baseado no Bolero de Maurice Ravel. A sessão contou com um super-time de músicos: Jimmy Page (guitarra líder), John Paul Jones (baixo), Nicky Hopkins (piano) e Keith Moon do The Who (bateria). Foi nessa o ocasião que o batera fez o célebre comentário: “O som da banda soa igual a um zepelim de chumbo”. Esse trabalho só foi lançado no ano seguinte quando Beck já não estava mais nos Yardbirds. Nesse ano, Keith Relf dois singles solo com as músicas Mr. Zero (Bob Lind)/Knowing (Relf) e Shapes of My Mind (Relf)/Blue Sands (Relf).

Para a vaga deixada por Samwell-Smith, a banda contou com Jimmy Page, que havia sido cogitado para a vaga de Eric Clapton uns anos antes. Page aceitou atuar como baixista até que o guitarrista Chris Dreja aprendesse a tocar o baixo. A estréia da explosiva dobradinha das seis cordas aconteceu no single Happenings Ten Years Time Ago (Beck/Relf/Dreja/Page/McCarty), onde os dois mestres da guitarra fazem um senhor duelo dos instrumentos, contando com John Paul Jones no baixo. No lado B (da versão britânica do disco), figurou a composição Psycho Daisies, este com Beck na guitarra solo e Page no baixo. Na versão norte americana o lado B foi The Nazz Are Blue do álbum Roger The Engineer.

As expectativas quanto a ter dois guitarristas solo do calibre de Beck e Page numa mesma banda eram enormes e quem viu os shows da banda naquele ano foi testemunha ocular da história. Infelizmente, nada foi registrado e as performances da dupla se resumiram ao single citado acima, além de I’m Waiting for the Man (Lou Reed), um cover do Velvet Underground, Over Under Sideways Down (cujo riff inicial foi usado num comercial de milk shake) e Stroll On (uma releitura de Train Kept-a Rolling de Johny Burnette) durante a participação da banda no filme Blow Up (No Brasil, Blow Up – Depois Daquele Beijo) de Michelangelo Antonioni, que pretendia chamar o The Who, que declinou do convite e o Velvet Underground, que não conseguiu um visto para trabalhar na Inglaterra. O cineasta pediu a Jeff Beck que, ao final da execução da música, quebrasse a guitarra, ao melhor estilo de Pete Tonwshend. Claro que o guitarrista jamais faria isso com sua guitarra favorita. Comprou uma Hoffner alemã bem baratinha e a coitada foi a vítima da, digamos, violência musical.

Infelizmente, o festejado duo de guitarras solo “subiu no telhado”, após uns problemas de saúde enfrentados por Beck e por alguns desentendimentos dele com os colegas de banda, que acabou ocasionando sua saída intempestiva  dos Yardbirds.

YARDBIRDS

Yardbirds: a efêmera fase Page-Beck

Continua no próximo post

Deixe um comentário

Arquivado em Biografias, Blues, Grandes Nomes do Rock, Música, Supergrupos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s