Brazilian Rock and Roll Hall of Fame: Ronnie Cord, finale

Em 1964, Ronnie sentiu o gosto da consagração nacional ao lançar Rua Augusta, composição de seu pai Hervê Cordovil, um grande sucesso e um dos hinos do Rock and Roll, que foi a primeira música a ter problemas com a censura. No ano seguinte, veio outro grande sucesso, Biquini de Bolinha Amarelinha, versão de Hervê para Itsy Bitsy Teenie Weenie Yellow Polkadot Bikini, que foi cantada com sucesso por Ronnie em 1960. O cantor foi lembrado no clássico de Erasmo Carlos, Festa de Arromba e se tornou presença constante no programa Jovem Guarda. No mesmo ano, formou o conjunto The Cords com os irmãos Norman Cordovil e Hervê Jr.

Em 1967, gravou mais um single com versões com as músicas Só Eu e Você (There’s a Kind of Hush, versão) e Felizes Juntinhos (Happy Together, versão). Passou a gravar outros ritmos além do Rock, mostrando sua versatilidade musical. o single que inaugura essa nova fase é Mulher e Meia (marcha rancho composta por Hervê Cordovil e Manoel Vitório)/Luciana. Participou da gravação do single Junto a Mim (Redinger-Kelly, versão Newton Miranda)/ Agora Sou Tão Infeliz  (Programa Infeliz)  (Norma) de Norman & Norma (dupla que seu irmão havia integrado naquele ano).

Em 1968, gravou os compactos O Jogo do Simão (versão de Simon Says)/Se Você GostaSonho de Amor       (Tyson, versão Palavino)/ Por Ser Jovem Demais  (Neil Diamond, versão Willy), esse último, um dueto com a cantora Cleide Alves. O cenário musical no Brasil havia mudado bastante naquele ano. O fim do programa Jovem Guarda fez com que o elenco e os músicos que lá se apresentavam (então órfãos) se adequassem a novas tendências que estavam em voga, como a Tropicália, músicas de festival e músicas românticas que acabaram se tornando precursoras do Som Brega da segunda metade dos anos 70.

Em 1969, Ronnie lançou seu derradeiro disco, o single M…de Mulher  (F…Comme Femme de Salvatore Adamo, versão Antônio Marcos)/ Eu Te Daria A Minha Vida  (Ronnie Cord-Norman Cord). Mas muita coisa que ele gravou acabou saindo em coletâneas lançadas nas décadas seguintes como sua versão para Sou Louco por Você de autoria da cantora Elizabeth e a marcha Um Brinde à Lua (Hervê Cordovil).

No ano seguinte, Ronnie Cord resolveu sair de cena definitivamente, mas a exemplo da amiga Cely Campelo, sempre voltou em eventos comemorativos da Jovem Guarda. Começou a trabalhar como publicitário, casou-se e teve três filhos. Em 1979, o pai e amigão de sempre “seo” Hervê se foi e no dia 6 de janeiro de 1986, Ronnie  também faleceu prematuramente, poucos dias antes de completar 43 anos e deixou uma triste lacuna no Rock and Roll brasileiro dos primórdios.

ronnie em família

Ronnie: um homem de família

Fontes:

Wikipedia

http://www.jovem-guarda.com/ronniecord.htm

http://memorialdafama.com/biografiasRZ/RonnieCord.html#38

http://cifrantiga3.blogspot.com.br/2006/04/ronnie-cord.html

Rock Brasileiro 1955-65 Trajetórias, personagens e discografia de Albert Pavão

1 comentário

Arquivado em Biografias, Brazilian Rock and Roll Hall of Fame, Gêneses do Rock Brasileiro, Música, Rock and Roll

Uma resposta para “Brazilian Rock and Roll Hall of Fame: Ronnie Cord, finale

  1. Se o Ronnie Cord gravou a versão F,, comme Femme (M ,,, de Mulher??), se estou certo, onde posso encontrar esta versão em mp3. ?? O vagalume tem a discografia dele mas não aparece este música que até foi tema de novela.
    Grato pela atenção

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s