Grandes Nomes do Rock: Status Quo, parte 1

Surgida na primeira metade da década de 60, é uma das bandas britânicas mais longevas do Rock and Roll e também são considerados os precursores do Heavy Metal e Hard Rock. Após mais de 40 anos de estrada, contando apenas com Francis RossiRick Parfitt da formação clássica, continuam com o mesmo vigor de sempre, com uma legião de fãs muito fieis. Falamos agora do inigualável Status Quo.

Tudo teve início dos idos de 1962, quando o guitarrista e cantor Francis Rossi (nascido em 29 de maio de 1949 em Forest Hill, Londres, Inglaterra) e o baixista Alan Lancaster (nascido Alan Charles Lancaster em 7 de fevereiro do de 1949) em Peckham, Londres, Inglaterra), dois amigos adolescentes, então com 13 anos mal completados, formaram a banda The Spectres, juntamente com  John Coghlan (nascido John Robert Coghlan em 19 de setembro de 1946 em Dulwich, Londres, Inglaterra) na bateria e Jess Jawroski nos teclados.

Em 1964, aconteceu uma mudança no line up da banda e eles também trocaram o nome para Traffic Jam e dessa feita contando com Rossi, Lancaster e Coghlan mais o novo tecladista Roy Lynes (nascido Roy Alan Lynes em 25 de outubro de 1943 em Redhill, Surrey, Inglaterra), também o mais velho e experiente, contrastando com os colegas de banda (na média, 15 e 19 anos). Em 1965, ocorre o que os QuoFans (fãs do Status Quo) chamam de Marco Zero na história da banda: Francis conheceu o guitarrista Rick Parfitt (nascido Richard John Parfitt no dia 12 de outubro de 1948 em Woking, Surrey, Inglaterra), à época atuando na ganda The Highlites. Os dois ficaram muito amigos desde então. Em 1966, a banda assinou com a gravadora Pye Records, gravando três singles inexpressivos: I (Who Have Nothing), Hurdy Gurdy Man (composição de Alan Lancaster, não confundir com The Hurdy Gurdy Man de Donovan) e (We Ain’t Got) Nothin’ Yet (original dos Blues Magoos).

Apaixonados pela vigente psicodelia que tomou de assalto a Grã Gretanha, Rossi e seus companheiros, convertidos num quinteto, após a entrada do grande chapa Rick Parfitt, resolveram mudar o nome da banda mais uma vez. O nome escolhido foi Status Quo. Para quem não sabe, Status Quo [estado atual] é uma expressão latina que designa a ordem vigente das coisas, o que predomina numa sociedade. Eles gravaram o single Almost But Not Quite There, que também teve desempenho pífio.

Em 1968, as coisas realmente começaram a acontecer quando gravaram e lançaram seu primeiro álbum Picturesque Matchstickable Messages from the Status Quo. Produzido por  John Schroederexperiente músico e compositor da Pye. Considerado um verdadeiro clássico dos anos 60, o disco capta de forma magnífica o espírito psicodélico da primeira fase do Status Quo, a partir de Pictures of Matchstick Men (Francis Rossi), com a hipnótica guitarra solo tocada por Francis Rossi, que influenciou muitos guitarristas da época e outros futuros mestres das seis cordas, aliada a um vocal igualmente lisérgico. Também se destacam as músicas Iced in the Sun (Marty Wilde, Ronnie Scott),  Black Veils of Melancholy (Rossi) e os covers para Spicks and Specks (Barry Gibb), uma música obscura dos Bee Gees; Sheila, composta e originalmente gravada por Tommy Roe e Green Tambourine (Paul Leka, Shelly Pinz), grande sucesso da banda psicodélica norte americana The Lemon Pipers.

O single de Pictures (lado B: Gentleman Joe’s Sidewalk Café) foi o primeiro e único hit do Status Quo nos EUA, tendo chegado ao 12º lugar da parada Hot 100 da Billboard e em 7º nos charts britânicos. Já o single subsequente, Black Veils (lado B: To Be Free) teve um mau desempenho, mas o terceiro single do álbum, Iced in the Sun (lado B: When My Mind Is Not Live) foi outro sucesso da banda, especialmente no Reino Unido, onde ficou em 8º posto na parada. Nesse primeiro disco, contaram com a ajuda do road manager Bob Young, que se tornou um membro não-oficial do Quo, sendo inclusive coator de algumas músicas da banda.

Continua no próximo post

The Spectres: os primórdios do Status Quo crédito: http://userserve-ak.last.fm/serve/_/26680729/The+Spectres+spectres2.jpg

The Spectres: os primórdios do Status Quo
crédito: http://userserve-ak.last.fm/serve/_/26680729/The+Spectres+spectres2.jpg

Deixe um comentário

Arquivado em Aniversariantes, Biografias, Grandes Nomes do Rock, Música, Rock and Roll, Rock Psicodélico

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s