Blues Legends: Pinetop Perkins

Começamos aqui uma nova seção no Musical Review, dedicado aos grandes mestres do Blues. Para começar, vamos escrever a biografia de um dos últimos grandes representantes da vertente do Mississipi Delta Blues, o sensacional Pinetop Perkins (biografia originalmente postada no blog Biografias Musicais) que se estivesse vivo, estaria completando seu centenário.

Joseph Williams “Pinetop” Perkins nasceu no dia 7 de julho de 1913 em Belzoni,Mississipi, EUA. Quando começou a tocar, nos idos dos anos 20, seu primeiro instrumento foi a guitarra. No entanto, após uma briga com uma corista em HelenaArkansas, teve o tendão do braço esquerdo lesionado o que o impediu de tocar o instrumento. Passou então a se dedicar ao piano e começou a tocar em um programa de rádio local chamado King Biscuit Time, sob direção do Bluesman Robert Nighthawk. Lá, ele acompanhava grandes figuras do Blues como Sonny Boy Williamson e a banda de NighthawkThe Hawks. Continuou trabalhando com Robert até o início dos anos 50, inclusive em algumas turnês. Ele foi o primeiro a ensinar noções de piano a Ike Turner [biografia aqui].

No início da década de 50, juntou-se à banda de Earl Hooker com a qual excursionou por diversos lugares. Parou de viajar para gravar no estúdio de Sam Phillips a música Pine Top’s Boogie de Clarence “Pinetop” Smith (1904-1929), cuja versão original havia sido gravada em 1928 quando Joseph tinha apenas 15 anos. De qualquer forma, isso valeu pelo apelido [Pinetop] que Joseph acabou ganhando por causa dessa música. Sempre presente naquele circuito do Blues, Pinetop largou a música e mudou-se para Illinois.

Em 1968, o velho amigo Earl Hooker conseguiu convencê-lo a voltar à ativa. No ano seguinte, substituiu Otis Spann na banda de Muddy Waters onde ficou até o final da década de 70, quando os músicos que acompanhavam Waters resolveram formar The Legendary Blues Band, que contava com Pinetop (piano),Willie “Big Eyes” Smith (bateria), Louis Meyer (harmônica e guitarra), Calvin “Fuzz” Jones (baixo) e Jerry Portnoy (harmônica).

A banda gravou vários discos e serviu como apoio ao legendário John Lee Hooker no filme The Blues Brothers(Os Irmãos Cara de Pau) de 1982. Pinetop é o único da banda a aparecer em evidência no filme mais do que os outros, junto com Hooker. Quem assistiu ao filme deve lembrar daquela cena em que John Lee Hooker clama para si a autoria do clássico Boom Boom (que realmente era uma composição dele) e Pinetop replica dizendo que ele havia feito a música, começando uma “briga”. Pinetop e sua turma ainda fariam turnês com alguns discípulos comoBob DylanEric Clapton e os Rolling Stones. Perkins saiu para trabalhar como músico de apoio em outras gravações e em 1988 (quando estava com 75 anos) gravou seu primeiro álbum solo chamado After Hours, cuja turnê contou com feras como Jimmy Rogers e Hubert Sumlin. A banda terminou em 1993.

Em 1992, com fôlego de garoto aos 77 anos, Pinetop gravou diversos grandes temas de Blues no álbum On Top, onde contou com seu velho colega da banda de Muddy Waters e Legendary Blues Band, o gaitista Jerry Portnoy (que não tinha nada de velho, pois era o caçula da banda, tendo nascido em 1943). Em 1998, gravou o álbum Legends ao lado do já citado Hubert Sumlin.

Em 2004, Pinetop estava dirigindo seu carro pelo estado de Indiana quando foi colhido por um trem que deixou o carro em pedaços. Mas o vigoroso pianista, então com 91 anos sofreu ferimentos superficiais. Nessa época, decidiu viver o resto de seus dias em Austin, Texas. Se apresentava informalmente num clube da região. Em 2005, foi premiado com o Grammy Achievement Award, uma espécie de prêmio pelo conjunto da obra, o que lhe permitiu um lugar no Grammy Hall of Fame. Quatro anos depois, em 2008, recebeu ainda o Grammy como Melhor Álbum Tradicional de Blues por Last of the Great Mississippi Delta Bluesmen: Live In Dallas lançado naquele ano e que contava com músicos entre 89 e 94 anos (Pinetop era o mais velho da banda). Nada mal para alguém que foi testemunha da história do Blues no século 20. A coisa não acaba aí: de 2008 para cá continuou tocando incessantemente e em fevereiro de 2011, Pinetop ganhou outro Grammy de Melhor Álbum Tradicional de Blues por Joined at the Hip (2010), que contou com seu parceiro de Legendary Blues Band Willie “Big Eyes” Smith. Em uma de suas últimas entrevistas, Pinetop teria dito:

Eu não posso tocar piano como eu costumava fazer (…). Peço ao Senhor Deus, por favor, que perdoe-me pelas coisas que eu fiz tentando arranjar uns trocados”.

Infelizmente, esse veterano guerreiro havia lutado sua última batalha, tendo falecido no dia 21 de março de 2011 e agora tem o descanso merecido. Finalizo este post com um versículo bíblico que penso ter tudo a ver com a trajetória de Pinetop Perkins: “Combati o bom combate, terminei a carreira, mantive a fé” (2 Timóteo 4:7).

Fonte:
Wikipedia (em inglês)

Biografias Musicais by Andre McKenna

Pinetop Perkins: um dos últimos mestres do Delta Blues crédito: http://www.bobcorritore.com/images/pinetop14.jpg

Pinetop Perkins: um dos últimos mestres do Delta Blues
crédito: http://www.bobcorritore.com/images/pinetop14.jpg

Deixe um comentário

Arquivado em Biografias, Blues, Blues Legends, Música

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s