Mersey Beat Review: The Searchers, parte 2

John McNally formou uma banda de Skiffle com alguns amigos em 1957. Em 1960, com a saída de alguns membros, McNally e o vocalista Big Ron Woodbridge chamaram um velho amigo, o guitarrista Mike Pender mais o baixista Tony Jackson e o batera Joe Kelly e a banda recebeu o nome de The Searchers. Big Ron e Kelly saíram para as entradas de Billy Beck (mais conhecido como Johnny Sandon) e Norman McGrary. O batera nãoficou muito tempo e foi substituído por Chris Crummey (mais tarde Chris Curtis). Em 1961, Sandon deixou os Searchers para ser frontman do Remo Four e os membros restantes decidiram se manter como quarteto. Chamaram a atenção da Pye Records e gravaram seu primeiro e bem sucedido single Sweets for My Sweet.

Em 1963, em plena onda do Mersey Beat os Searchers gravaram seu primeiro álbum Meet the Searchers, produzido por Tony Hatch. Além de figurar Sweets for My sweet, o single de sucesso lançado anterirormente, o disco conta com clássicos como Love Potion Number 9 (Leiber, Stoller), grande sucesso dos Clovers; Stand By Me (King, Leiber, Stoller), originalmente gravada por Ben E. King e que foi um grande hit da carreira solo de John Lennon; Money (That’s What I Want), de Janie Bradford e Berry Gordy, original de Barrett Strong e que é considerado um clássico com os Beaatles. O álbum teve um ótima repercussão chegando ao segundo lugar nas paradas do Reino Unido.

Nesse mesmo ano, a banda gravou os singles Sweet Nothins (original de Brenda Lee)/What’d I Say (original de Ray Charles) e Sugar and Spice (Fred Nightingale)/Saints and Searchers, a primeira música, outro grande clássico da banda, gravada originalmente por Tony Hatch, que ficou em 2º lugar nos charts britãnicos e em 44º na parada dos EUA, sendo a primeira vez que os Seachers figuraram nos charts do a terra do Tio Sam.

Ainda em 1963, em seguida veio o segundo álbum Sugar & Spice, com destaque para a faixa título, Some Other Guy (Leiber, Stoller, Garrett), original de Richard Barrett que fazia parte do repertório recorrente dos Beatles; Listen To Me (Charles Hardin, Norman Petty), original de Buddy Holly & The Crickets e (Ain’t That) Just Like Me (Earl Carroll, Billy Guy) original dos Coasters que fivguour no primeiro álbum dos Hollies. O álbum alcançou o 5º lugar nos charts britânicos.

Em 1964, os Searchers lançaram singles bem sucedidos, todos clássicos da banda: Needles and Pins (Jack Nitzsche, Sonny Bono), um sucesso da cantora Jackie DeShannon/Saturday Nigh Out (primeiríssimo lugar nos charts britânicos, 13º nos EUA); Don’t Throw Your Love Away (Billy Jackson, Jimmy Wisner), original do gripo vocal The Orlons/ I Pretend I’m With You (outro nº 1 na parada do Reino Unido, 16º nos EUA); Someday We’re Gone Love Again, original de Barbara Lewis/ No One Else Could Love You (11º lugar dos charts britânicos, 34º na parada dos EUA); When You Walk In The Room (DeShannon), outro sucesso de Jackie DeShannon/I’ll Be Missing You (3º lugar no Reino Unido, 35º nos EUA) e What Have They Done To The Rain (Malvina Reynolds), original de Malvina Reynolds/ This Feeling Inside (13º nos charts britãnicos, 29º nos charts norte americanos).

Nesse ano foi lançado o álbum It’s Searchers, com destaque para It’s In Her Kiss (Rudy Clark), um clássico de Betty EverettGlad All Over (Schroeder, Bennett, Tepper), original de Carl Perkins, que os Beatles tocaram em seus programas na BBC Hi-Heel Sneakers (Robert Higginbotham), original de Tommy Tucker, além das músicas que figuraram nos singles Needles and Pins e Don’t Throw Our Love Away. O disco ficou em 4º lugar nos charts britânicos. Lançaram ainda um dois álbuns exclisuvos para o mercado dos EUA, Hear Hear! This is Us [trocadilho de “us” = nós com US = United States], que nada mais são do que coletâneas de gravações feitas na Inglaterra.

Continua no próximo post

The Searchers na linha de frente da Invasão britânica crédito: http://ukinvasion.files.wordpress.com/2011/06/searchers-on-brit-beat-boom.jpg

The Searchers na linha de frente da Invasão britânica
crédito: http://ukinvasion.files.wordpress.com/2011/06/searchers-on-brit-beat-boom.jpg

2 Comentários

Arquivado em Biografias, Deep Purple Family Tree, Música, Mersey Beat Review, Rock and Roll

2 Respostas para “Mersey Beat Review: The Searchers, parte 2

  1. Pingback: Mersey Beat Review: The Searchers, parte 1 | Musical Review

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s